Home

Programa
Inscritos
Relatoria

Relatoria - 1ª. Reunião de Coordenação da
Biblioteca Virtual em Saúde Brasil

Painel III - Relato de Experiências

Exemplos concretos

Logo após o intervalo do almoço, os participantes da Reunião de Coordenação da BVS puderam conhecer um pouco mais sobre algumas iniciativas de Bibliotecas Virtuais.

Angela Cuenca, da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (FSP/USP) descreveu a BVS em Saúde Pública (www.saudepublica.bvs.br).

Eles definiram no site uma estrutura temática, com 24 assuntos disponíveis, elencados conforme a definição do Descritores em Ciências da Saúde (DeCS).

Além disso, a BVS-SP oferece aos seus usuários links para sites de saúde pública (1.063 registros ativos e 1.697 registros revistos para alteração status), controle bibliográfico, textos completos (teses e documentos governamentais com metodologia SciELO, monografias da FSP em PDF e documentos da OPAS), diretórios, controle de palavras e um espaço de apoio ao tomador de decisão.

Angela destacou a importância da integração entre os projetos sociais e a BVS. Ela citou como exemplo as fontes de informação de apoio aos tomadores de decisão em saúde pública na gestão para redução da mortalidade infantil. "É preciso haver o trabalho em conjunto. Ninguém deve ser dono da informação", explica.

A palestrante citou como principais desafios da BVS a ação pró-ativa na captação da produção das instituições de pesquisa e a ampliação do treinamento ao usuário da biblioteca virtual. "Também precisamos aumentar a divulgação dessa excelente ferramenta."

ver apresentação



Perfil adequado

A respeito das teses em texto integral disponibilizados pela BVS-SP, Jussara Long, da Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), esclareceu que o Comitê da Biblioteca Virtual pretende promover o acesso universal desse tipo de documento e permitir a realização de estudos bibliométricos em teses. "A nosso favor estão a parceria da BIREME, o apoio da coordenação de pós-graduação da Fiocruz e o interesse dos autores em publicar seus textos", comenta Jussara. Em compensação, o projeto esbarra na dificuldade em encontrar profissionais de informação com perfil adequado ao projeto, na falta de normatização na apresentação das dissertações e na adaptação da metodologia utilizada no tratamento de imagens.

http://thesisfiocruz.bvs.br

ver apresentação



Psicologia

Na seqüência de apresentações, Maria Imaculada Cardoso Sampaio, da Faculdade de Psicologia da Universidade de São Paulo explicou que a BVS Psicologia disponibiliza uma série de sub-produtos como teses, agenda de eventos, portal de revistas do setor, a coleção SciELO, legislação e códigos de ética, além da implantação de uma área para vídeos.

"Nosso carro chefe é o Index Psi de Periódicos", conta Maria Imaculada. "Esperamos que essa ferramenta reúna informações sobre toda e qualquer publicação (mesmo não periódica) em psicologia." Essa área tem uma atualização média de 20 novos registros por mês. Até o momento, 13 editoras têm acesso ao cadastro.

http://psicologia.bvs.br

ver apresentação



Presença espanhola

A participação Iberoamericana no projeto Biblioteca Virtual em Saúde foi representada por Jorge Veiga, do Instituto de Salud Carlos III, da Espanha. Ele explicou que os principais destaques da BVS Espanha são:

A distinção das bases de dados nacionais: Índice Bibliográfico Espanhol em Ciências da Saúde (IBECS), preIBECS (artigos em fase prévia de publicação) e Base de Dados para Pesquisa em Enfermagem na Espanha (BDIE);

Os catálogos coletivos: reúne catálogos das mais de 540 bibliotecas de ciências da saúde espanhola. Eles não possuem o Serviço Cooperativo de Acesso a Documentos (Scad) e por isso o catálogo de fontes é tão importante;

SciELO Espanha (com sete periódicos)

A Espanha possui 711 títulos de revistas eletrônicas em ciência e saúde editadas. Dessas 588 oferecem artigos abertos. O comitê da BVS Espanha escolheu 388 periódicos para avaliação. "Foram selecionados 110 e 12 estão em processo de aprovação. Ainda faltam cerca de 100 revistas para avaliar e 66 continuam na pré- seleção. Esperamos fechar o ano com 155 a 175 títulos aprovados para nossa base de dados", contabiliza Veiga.

Para os próximos meses, o comitê está trabalhando para disponibilizar o LIS Espanha que também abrirá espaço para outras instituições européias.

"A Organização Mundial de Medicina do Trabalho tem sua base de dados em inglês ou francês e cobram pelo acesso à informação. Nós fizemos um acordo e vamos traduzir os textos da organização para o espanhol e português e ofereceremos gratuitamente aos usuários da BVS", anunciou Veiga.

www.isciii.es/bvs

ver apresentação



Capacitação

Uma das preocupações dos comitês das BVS é encontrar profissionais da informação capacitados para operar no sistema da Biblioteca Virtual. Maria Elisa Rangel Braga, da Biblioteca Central da Unifesp, trouxe para a Reunião de Coordenação um modelo de curso de especialização e informação em ciências da saúde para bibliotecários.

Como o curso elaborado exigia presença integral, a primeira turma foi formada por quatro participantes. No primeiro módulo, eles freqüentaram aulas de anatomia e farmacologia. Dessa forma, puderam conhecer terminologias do organismo humano e de drogas, além de informações básicas para o bom entendimento da área ciências da saúde. O bloco seguinte enfocou enfermagem e clínica médica, com ênfase na classificação das doenças.

"Com esse conhecimento básico, julgamos qualificar o trabalho de indexação, catalogação e levantamento bibliográfico dos profissionais da informação", declarou Maria Elisa.

Na terceira fase do curso, os participantes receberam aulas de criação de projetos de pesquisa, informática médica (ensino a distância), política e avaliação de indexação e divulgação e marketing de produtos e serviços de uma biblioteca. Por fim, houve a apresentação das metodologias BVS e SciELO.

"Nosso objetivo é que essas pessoas terminem o curso capazes de implantar, desenvolver e disponibilizar serviços de disseminação seletiva conforme perfis de usuário, elaborar e aplicar programas de educação do usuário, desenvolver fontes de informação, gerenciar e administrar bases de metadados, elaborar políticas de parceria e participação em consórcios, dominar terminologia e indexação de recursos informacionais e orientar os usuários na utilização de documentos abertos e completos", disse Maria Elisa.

http://www.biblioteca.epm.br/curso.htm

ver apresentação



voltar